sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Cavalheirismo conveniente

Quem nunca ouviu ou disse a frase: "Não existem mais cavalheiros hoje em dia!!" ???

A resposta é simples: "Também não existem mais damas!"

Eu acho impossível desassociar uma atitude historicamente considerada como cavalheirismo de uma atitude MACHISTA.

Se um homem faz algo por uma mulher que ela não precisa e não faz o mesmo para um homem que precisa, isso não é cavalheirismo, é MACHISMO.

Eu acredito que o tal “cavalheirismo” está totalmente ligado ao interesse de um homem por uma mulher e não necessariamente a um ato gentil. Gentileza se faz por qualquer pessoa, homem ou mulher, bonita ou feia, grande ou pequena, sem esperar por algum retorno afetivo ou algum outro interesse pessoal.

O Cavalheiro surgiu na época em que as mulheres (damas) não tinham direito a nada, eram objetos de troca para união de famílias sem amor e aumento de poder dos sobrenomes. O homem “cortejava” sua pretendente até a noite de núpcias e quando recebia seu dote.

Cavalheiros e Damas eram pessoas da nobreza e não plebeus. Esse conceito social foi se popularizando até que qualquer pessoa pudesse ser chamada assim.

Existem homens que não conseguem trocar pneu de carro, por não ter força, por não saber ou por algum problema de saúde que lhe impede, assim como tem mulheres que trocam pneu mais rápido que um homem.

O machismo nesse caso está quando você relaciona o cavalheirismo somente à mulher, quando julga todas elas como mais fracas e todos os homens mais fortes.

Existem pessoas mais fracas e mais fortes, com habilidades para certas coisas ou não, independente do sexo.

Voltando ao passado, a mulher não tinha influência na sociedade, não tinha salário, portanto o homem que pagava tudo, óbvio (não porque ele queria, mas porque todo mundo sabia que mulher não tinha dinheiro), não podia votar, não podia se divorciar e ainda por cima, teria que aturar para o resto da vida a verdadeira face daquele homem que antes era um cavalheiro (Que na verdade nunca existiu).

Ser cavalheiro é ser machista por considerar a mulher fisicamente, economicamente, e emocionalmente mais fraca. E ser dama é machista quando se faz uso disso, se tornando objeto de troca, como no passado.

Então, não dá para separar o homem cavalheiro do homem machista, se você não está disposta a suportar tudo que um “cavalheiro” pode lhe oferecer, não exija dele somente a parte que lhe convém.

Depois das pedradas, aparecem as perguntas: “Então você não faz nada para agradar as mulheres? Você não trata bem das mulheres? Como você consegue conquistar uma mulher?”

Bom, eu não faço nada para favorecer uma mulher sobre qualquer outra pessoa só pelo fato dela ser mulher. Nem faço nada que ela mesma não possa fazer. Trato e ajudo as pessoas pelas suas necessidades.

No dia que me interessei afetivamente por uma mulher, tratei ela diferente sim, não como um cavalheiro, pois busco trata-la diferente de qualquer outra mulher sempre, pois é a MINHA mulher, que divide sua vida comigo, vive bons e maus momentos ao meu lado e tem um significado completamente diferente do que se oferece como cavalheirismo e o que muitas mulheres têm esperado. O mesmo vale para minha mãe, que não é necessariamente uma mulher apenas, é minha mãe, não tem comparação com qualquer outro vínculo social.

O ideal mesmo, seria que as pessoas praticassem mais o bem comum e a gentileza pela real necessidade. Tanto para quem a oferece quanto para quem lhe é oferecida.

Obrigado pela leitura!!

Anderson Guerra

terça-feira, 27 de outubro de 2015

Todos iguais perante quem?

A constituição diz que somos todos iguais perante a lei. E isso bastaria para mantermos uma sociedade mais justa e igualitária para todos.

Mas o governo não tem essa intenção. Não é a toa que se criam várias leis e punições para benefício e cuidado de "minorias". Essa quantidade absurda de novas regras, cotas, leis e mais leis, se olhadas com mais critério, vai dar para perceber que são para "inglês" ver, para deixar alguém mais tranquilo e ganhar seu voto.

Já parou para pensar que hoje em dia alguém pode ter uma punição mais branda matando um negro/homossexual do que discriminando ele?

E se um homem (hétero), em juízo, se considerar mulher e exigir os direitos da Maria da penha por uma briga que teve com o seu pai?

E se todo mundo começar a se declarar negro para exigir cotas? Haja praia e bronzeamento artificial.

Essa hipótese pode ser exagerada, mas as coisas estão ficando tão truncadas e sendo feitas sem controle que estão caminhando para esse lado.

Afinal, se todo mundo pode ser o que quiser perante as leis, por que quando um médico considera uma pessoa inválida, o governo enrola anos ou não dá o benefício ao cidadão? E se eu ME considerar inválido, incapaz de exercer qualquer função na sociedade e passar a exigir direitos por isso?

Dá pra perceber que o governo não quer o bem de ninguém né?

O problema é que essa imposição de novas posturas da sociedade, excluindo suas crenças e conceitos, é altamente estúpida. Principalmente quando finge que está ajudando alguém, mas no final é só politicagem.

Durante a escola aprendi que a diferença entre o sexo feminino e masculino era um cromossomo, agora é uma questão de opinião. E digo mais, se a redação de um vestibular ou concurso pedir a sua opinião sobre algum assunto, trate de adivinhar quem irá corrigir, pois se sua opinião não for igual a dele, pode ter certeza que sua nota vai ser baixa. Já passei por isso falando mal do governo.

Os negros, homossexuais e mulheres mais legais, exemplares e bem sucedidos que conheço, acordam cedo, estudam, trabalham, correm atrás e não têm tempo nem de pensar no que o país pode oferecer para eles caso aceitassem para si toda essa desigualdade.

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

A culpa é sua!

Muitos têm o dom de justificar seus erros pelas atitudes dos outros. Muitas das vezes, elas já querem cometer o erro e procuram apenas um motivo para tal ou até mesmo criam a situação para que elas se justifiquem.

O pior de tudo é que geralmente a gente cai. Quando a pessoa é bem esperta, ela te faz errar com ela também. Mas para ela, o que você fez não teve efeito ruim, muito pelo contrário, ela ficou contente por ter conseguido um álibi para externar o que de muito ela já queria.

O mais triste é que geralmente quem faz isso, está em seu convívio, são pessoas que você gosta, não um desconhecido.

Os motivos são dos mais variados: Acordou de mal humor e quer apenas gritar com alguém, quer uma desculpa para sair sozinho da esposa/marido, um motivo para traição, não pagar uma dívida ao amigo, etc.

Tem pessoas que não aceitam que podem errar. É como se não quisessem perder uma certa perfeição que subconscientemente acham que possuem. E isso somado ao excesso de orgulho, fazem com que elas se tornem pessoas covardes. Elas perdem mais não ferindo seu ego do que quando admitem um erro ou pedem desculpas.

E desse jeito, amizades são desfeitas, relacionamentos familiares distanciados, casamentos destruídos, até oportunidades profissionais são perdidas.

Se todo mundo soubesse o quanto é bom evoluir por observar os próprios erros, quanta paz que a reconciliação justa tem e quão valioso é aceitar sua imperfeição, mas não pelo direito de errar, mas pela capacidade de se redimir, menos tempo se perderia, menos lágrimas cairiam e mais paz existiria.

A culpa é sua, basta escolher pelo quê.

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Última chance

Não existe intervalo entre a vida e a morte
Um momento que a precede para fazer o que nunca foi feito
Para dizer o que não foi dito ou consertar o que ficou pendente
Uma chance dentro do fim, não existe.

É bom pensar no que pode ser feito agora
Não para mudar o rumo do destino do próximo
Mas para mudar sua própria vida sem o próximo

Sem o sorriso do anjo que corre na rua
Sem o olhar do animal que te pede cuidados
Sem a presença daquele que te criou
Sem o convívio de quem te ama.

Ás vezes o fim não é a falta da vida
Mas a falta do que se sente
Ás vezes há morte em vida
Por não ser vivida com amor

E o futuro, pode não existir
Mas se existir, ele tem que ser feito a partir de agora
Não dar, nem aceitar migalhas só por que elas tem o gosto bom
Viver a certeza de que nada é pra sempre
E que caminhamos sobre uma linha tênue entre a vida e a morte

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Chamaram mas eu não ouvi

Chamaram de amor o presente caro
A aparência moldada e artificial da perfeição
E a suportação do nojo para manter o conforto

Já chamaram de amor a mentira que não foi descoberta
A privacidade indiscreta, a propaganda enganosa
O choro escondido e a solidão a dois.

Até de amor próprio, chamaram o egoísmo
Que abstém o direito de exigir o mínimo
E tira o valor de qualquer reivindicação

Chamaram de amor a poesia escrita com lágrimas
E o poeta vestido de sangue
Já chamaram a dor de amor.

Chamaram de amor toda falta de amor
Que justifica quem erra
Mas nunca cura quem de verdade ama.

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

quinta-feira, 23 de julho de 2015

A graça da vida

A graça da vida não está na perfeição dos dias nem na certeza do amanhã
Ela está em poder ter alguém com quem você possa contar e saber que se nem tudo der certo, terá alguém para amenizar a sua aflição e dividir consigo sua dor.

A graça da vida está em ter paz pelo fim de cada luta diária e não por conseguir se esconder de todo mal.
É olhar em torno de si e perceber que outras vidas completam a sua e fazem ela ter mais sentido.

É quando você entende a vida como um ciclo. Pensar estar ouvindo o mesmo de alguém no instante em que está falando, é sentir o que o outro vai sentir no mesmo momento de uma atitude. E é também quebrar o ciclo, transformando o mal em bem.

Abrir mão por amor e não por obrigação, ficar bem por querer ficar, por objetivo, por perceber que a vida é muito curta, e que pode acabar muito antes do que a gente prevê.

É fazer sorrir e ter o direito de chorar
É ouvir um pedido de desculpas e também se redimir.
É saber exigir e também dar o braço a torcer
É poder falar e querer ouvir
É nunca SER, mas sempre ESTAR

quarta-feira, 15 de julho de 2015

Qual é o problema?

Você vai ao clínico geral e diz que tem estado muito cansado.
Ele te faz perguntas sobre sua rotina e diz que você está estressado.

Você vai ao endocrinologista e diz que tem estado muito cansado.
Ele diz que a causa é que você está acima ou abaixo do peso e que possivelmente tem alguma alteração na tireoide.

Você vai ao nutricionista e diz que tem estado muito cansado.
Ele te faz perguntas sobre sua alimentação (quem come bem e certo hoje em dia?) e diz que a causa é a falta de vitaminas essenciais no seu cotidiano.

Você vai ao dentista e diz que tem estado muito cansado.
Ele diz que seus dentes são interligados até com seu intestino grosso e que aquela cárie e o fato de não ter usado aparelho pra acertar os dentes, te dá dor de cabeça e faz você se sentir cansado.

Você vai ao podólogo e diz que tem estado muito cansado.
Ele diz que a palmilha do seu sapato atrapalha sua circulação e isso impede que o oxigênio circule e faz com que você se sinta cansado.

Você vai à cartomante e diz que tem estado muito cansado.
Ela te faz perguntas e responde que a causa é justamente a área da sua vida que você tem problemas.

Você vai ao Cardiologista e diz que tem estado muito cansado.
Ele diz que você pode ter uma doença na sua válvula mitral, não degenerativa, não se preocupe, mas que terá que fazer alguns exames.

Você vai à igreja e diz que tem estado muito cansado.
O pastor diz que você está com encosto, essa é a causa.

Você vai até ao pedreiro e diz que tem estado muito cansado.
Ele diz que tá faltando cimento. hehehe!

Você resolve não ir a lugar nenhum e passar mais tempo dormindo.
O seu cansaço melhora em 70%.

Brincadeiras à parte. As práticas e atitudes humanas geralmente são tendenciosas e egocêntricas. Cabe a nós avaliar bem o que nos dizem e saber escolher o melhor para si. E sempre equilibrar essas escolhas para as decisões que envolvem outras pessoas. Se questionar sempre, renovar e criticar mais a si próprio, tudo isso ajuda para um mundo melhor.

quinta-feira, 18 de junho de 2015

Purificação

Não admito essa dor
Principalmente aos que perecem por amor
Mesmo que seja um amor torto, que começou errado
E nunca se endireitou

O espírito se afasta
A alma se confunde, enlouquece
E o corpo padece

O espírito é decidido, não divide seu abrigo.
A alma aperta o coração para que ele volte
O corpo chora, chora quando pode.

O espírito grita: "Se livre de todo mal e de tudo que o relembre"
A alma sucede por um momento mas não esgota o sentimento
E o corpo insustentável continua adoecendo

Lágrimas doloridas e salgadas
Parecem sangue quando escorrem pelo rosto
Concentradas de amargura, arrependimentos e desgostos

O espírito diz não ter mais tempo
A alma pede mais um momento
E ele diz que o corpo está entregue a sorte.
-"Mas espírito, o amor não é forte feito a morte?", indaga a alma.
Sereno e contundente ele responde:
-"Se tu amas outra alma mais que teu próprio espírito, escolhes então, que seu corpo deverá assim morrer."

O amor pertence a quem sente e não a quem recebe
Por isso ele nunca morre, prevalece
Basta escolher quem merece receber
E qual parte de si merece viver

Para curar sua dor, ame sua essência
Traga de volta o que entregou
E o que ficou, esgote tudo de uma só vez
Chore muito, grite, escreva, suspire, converse
E se torne novamente um, em corpo alma e espírito.

segunda-feira, 25 de maio de 2015

Crimes e Leis

Querer resolver o problema dos crimes praticados por menores reduzindo a maior idade penal é tão burro quanto tentar resolver o problema do tráfico de drogas colocando polícia x bandido a vida inteira. Embora eu até concorde com a redução da maioridade penal.

Começando pelo tráfico, existem duas maneiras de resolver, se alguém assim quisesse. A primeira é: Só há drogas porque há consumo, então, desgrace com a vida de quem usa. Enquadre como crime hediondo, fiscalize etc. Afinal, a população está desarmada mesmo. A segunda opção é: Libera geral. Tudo. Do CD da MC Melody, passando pela cocaína até o Oxi. Usa droga quem quer, mas quem usar tem que assumir os riscos. Não quero pagar imposto pra tratamento de gente idiota.

As pontes estão aí, se joga quem quer, as facas, os remédios controlados, cada um se mata da maneira que achar mais agradável, quem somos nós para questionar?

Agora, o que dá pra questionar é a quantidade de gente morta e a quantidade de marginalização de pessoas que isso gera. Então, precisamos escolher uma opção logo.

Em relação à molecada do mal, eu concordo em reduzir a maioridade penal, desde que se faça um trabalho de educação com essas crianças, que hoje tem de 8 a 10 anos e que amanhã poderá ceifar a sua vida.
Como medida paliativa é importante fazer isso sim. A “criança” (16 anos) pode não estar preparada psicologicamente para responder por seus atos, conforme diz a lei, mas tal julgamento não elimina os riscos que esses delinquentes promovem.

Ao invés do governo criar bolsa para cada filho, dê bolsa para quem não faz filho, oras. Dê bolsa para o filho que está na escola e tire notas boas, só estar matriculado não adianta bosta nenhuma.

Tem que trazer responsabilidade para os pais também. Se o filhinho não pode responder, que a mãe responda. Por que quando o pai de uma criança não paga pensão, a família tem que pagar? Então faça o mesmo com os crimes.

Sair postando a verdade passional de cada um só vai gerar mais intolerância e intrigas entre nós mesmos, que somos vítimas do sistema e já pagamos para alguém resolver tudo isso.

sexta-feira, 8 de maio de 2015

Quais os limites da tolerância?

Até onde suportar os erros, as manias e até a falta de respeito?
Será que existe um equilíbrio do tamanho da felicidade que alguém te proporciona com o tamanho do mal que ela pode te fazer? Afinal, 10 kg de cada lado da balança equilibram da mesma forma que 100 kg de cada lado.

Como se mede o "valer a pena”?
Será que o limite entre a fadiga emocional e o cessar de suas lágrimas são o ponto final para a tolerância? Ou existe uma margem inferior que limita até onde você pode permitir alguém chegar?

Eu realmente não sei. Só sei fazer perguntas.
Eu acho que não é pelo fato da gente suportar, que merecemos ou sejamos obrigados a sentir tudo até nossos limites sempre.

Até onde suportar o que as pessoas próximas falam sobre suas decisões e até onde as ignorar?

E até onde passar por cima de seus próprios conceitos para viver algo que trás medo e ao mesmo tempo ser tão bom?

Até onde se entregar? O que é se entregar, afinal?
Será que é como se jogar de um avião, aproveitando o vento na cara e a sensação de estar voando e ao mesmo tempo esperar que alguém apareça no meio do caminho e te entregue um paraquedas para te salvar?

Há quem diga que o amor resolve todas essas dúvidas
E há quem diga que ainda existe alguém disposto a amar.

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Farta paz

Não queira o maior dos amores
Nem suplicas por atenção
Tampouco lágrimas de desentendimento
E viver em dupla solidão

Queira a paz de um amor maduro
Com riqueza de mútuas entregas
Para poder abrir mão por vontade
E não se submeter por medo de perder.

Não espere o príncipe subordinado que quase precisa morrer pra te conquistar
Nem a princesa da sacada que se acha o centro do universo.

Não seja responsável por tudo acontecer,
Descubra junto da pessoa que é você pra ela, que é ela pra você.

Some suas ideias e loucuras, evolua, mas sempre com uma dose farta de idiotice
Queira poder dizer que agora dois são um e que não vive mais só por ti.

terça-feira, 21 de abril de 2015

Foi só te ver

Foi só te ver para entender o que de cara ainda confirmo hoje
E na simplicidade dos seus dons
E pela urgência dos meus desejos, me envolvi
Sem antes mesmo reconhecer meus medos,
Quis ser também, como tatuagem em sua pele.
E decifrar os desenhos coloridos de sua alma.

Desprotegido e curioso, invadi seus olhos
Pra enxergar o que não deveria ver.
E me perdi, por gostar e não gostar, por querer e não querer.
Minha teoria é forte, minha razão é falha
Meu coração é burro e minha teimosia, resiliente.

A cada sorriso que recebi, mais vazio eu fiquei
Pelo espaço que você ocupou, pela paz que me retirou.

E a cada suspiro do mesmo ar que o seu, dois extremos se estendiam.
Quanto mais eu te conhecia, mais eu temia,
Menos me reconhecia e cada vez mais eu queria você.

terça-feira, 7 de abril de 2015

Conto de falsas

Meninas lindas e inteligentes se sujeitando a relacionamentos tortuosos.

Acho que virou epidemia.

Elas, na esperança de que o relacionamento mal resolvido se acabe e vire um conto de fadas. Afinal, elas sabem que são bonitas, sabem que são boas moças, que mal poderiam lhes fazer?

Eles, no intuito de fazê-las acreditar que é um relacionamento mal resolvido, só para mantê-las sempre disponíveis. Afinal, eles sabem que são bonitos (ás vezes nem são grandes coisa), mas tá faltando homem no mercado mesmo, a procura é grande.

Esses relacionamentos começam na necessidade masculina de saciar sua vontade sexual, eles aparecem feito anjos, dizem eu te amo, acho que às vezes até com uma certa sinceridade, afinal, imagine o que não diz uma pessoa que está cheia de fome por um prato de comida?

O engraçado é que esses pseudo relacionamentos, sempre dão um "tempo" próximo aos feriados. A estratégia está tão bem feita, que agora eles terminam uma semana antes para não parecer tão na cara. Mas ELAS, acham que foi só uma briguinha, que foi uma coincidência.

Depois, eles trocam fotos sigilosas com os amigos pelo whatsapp das viagens e saídas do feriadão, e elas, postam fotos públicas sorridentes na balada com as amigas no facebook para eles verem, mas na verdade estão tristes e não pegaram ninguém.

Acredito que se as mulheres trocassem mais informações, perceberiam que a mesma "coincidência" está acontecendo com MUITAS outras mulheres do mesmo perfil.

Quem quiser, veja se vale a pena avaliar se essa troca é justa, pois quem está fora, não consegue enxergar realmente o quanto podem estar felizes ou enganadas.

Mas quem se importa? Cada um vive a verdade que acredita.

quinta-feira, 26 de março de 2015

Cheio e só

Não estou vazio por estar só
Tem gente junta que está bem pior

Não tenho paciência para jogos de sedução
Nem estômago para supervalorização

Não me apego às oportunidades
Quando elas me pegam que eu fico mais à vontade

Prefiro perder pelas minhas escolhas racionais
Do que pelas consequências de atos passionais

Não disputo atenção, que dirá um coração
Não tolero orgulho, acho perda de tempo
Vivo o que tenho agora, o amanhã, eu invento.

quinta-feira, 19 de março de 2015

D-existir

Desisti de te elogiar todos os dias, mas não deixarei de valorizar seus predicados.

Desisti de dividir minha vida inteira com você, mas te impedi de sofrer com minhas imperfeições.

Desisti de te abraçar quando não se tem o que dizer, mas não vou deixar de te proteger em minhas orações.

Desisti de te proporcionar alegrias, mas nunca de te desejar o bem.

Não quero mais te beijar nem caminhar segurando sua mão, nem quero mais pensar no quanto isso seria bom.

Não vou mais precisar chorar de saudades quando se ausentar, vou apenas chorar.

Desisti de cuidar de você, de fazer você se sentir importante e desejada, para que seu coração não se engane e me retribua com o amor que não mereço.

Desisti de ter você pela possibilidade de morrer antes de ti e lhe ofertar uma dor não merecida.

Tão pouco de ir antes de mim e eu sentir de novo a mesma dor que estou sentindo agora.

Desisti de ter você, mas não desisti de te amar.

segunda-feira, 16 de março de 2015

Mesmo se não quiser

Mesmo que a expressão do teu olhar
Me mostre o que eu não queira ver
Mesmo se tudo o que eu sentir parar
E eu não consiga mais pensar nem me mover

E se todo esse desejo não te alcançar
E eu nunca possa ter você
Meu instinto seguirá por somente crer
Seja por sorte ou seja por fé
Que todo esse amor não morre, pois ele é meu
Mesmo se você não quiser

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Quando você passa

Tenho dó de mim quando você passa
Meus olhos me traem porquanto te seguem
Seu cheiro deturpa minha discrição
E eu fecho os olhos, suspirando seu doce aroma

Parece uma felina que se equilibra pelos muros.
Que aos passos lentos, predomina suas formas.
E me provoca de tanto desejo.

Desejo esse, que as brandas palavras não explicam
Me remetem às vontades proibidas
Mas que as considero tão naturais quanto um afago em seus cabelos.

Ah, esses cabelos. Lisos e esvoaçantes.
Que dançam lentamente ao vento, tornando tudo mais calmo.
Só cometem o pecado de esconderem seu rosto.
Que eu mal consigo encarar, que eu mal consigo esquecer.

Uma jovem mulher, que me desperta os mais inócuos e impuros sentimentos
Que me transporta aos extremos do meu ser no mesmo instante.
Isso sim é um exemplar feminino sublime.
É a demonstração ilustre do significado da palavra fêmea.

Ser mulher é escolha divina, ser fêmea é saber ser mulher
É conseguir conquistar por sua luta e pelo seu olhar.
É mudar o dia de um homem, com apenas um sorriso.
É manter presente pro resto da vida o corpo e a alma do seu amor.

Pobre de mim, que sou tão instintivo quanto poeta.
Não sei explicar por que tanto te quero
Vem para meus braços, mesmo que em um dia de glória ou de dor.
Venha ser minha dose diária de veneno, que só me mata de amor

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Esforço em vão

A cada dia que passa se torna mais difícil se manter firme com seus valores. Fazer certo te prejudica, fazer errado é fazer com a maioria. Falar a verdade te torna uma pessoa ruim ao contrário do outro que mente sobre aquilo que você foi sincero e se deu bem.

O valor da realidade não importa mais. O que importa é o quão bem você mascara um problema, a sua capacidade de contornar situações sem resolvê-los e se possível transferindo a culpa pra outro pessoa.

Se você assume um erro para alguém, essa pessoa usa isso para ficar acima de você, quando na realidade ela também já cometeu aquele erro, mas como não te contou, ela não fez. E você é inferiorizado ao invés de se beneficiar pela sua sinceridade, sua hombridade.

Essas relações de disputa estão no trabalho, nas amizades e até nos casamentos, como um jogo de quem está por cima na relação.

Ao invés da pessoa se orgulhar do quanto doa de si para o outro, ela se orgulha quando consegue fazer com que o outro tenha medo de perdê-la, ou seja, mantém a pessoa por perto manipulando suas deficiências, suas fragilidades, suas necessidades e não pelo bem que faz a ela, pelo que faz além.

E essa é uma constatação que me faz acreditar que tentar ser um homem bom para as pessoas e nas coisas que faço, nunca me trouxe benefício algum.