quinta-feira, 29 de setembro de 2005

Nos braços de um anjo

Depois de todo tempo que esperou
Inúmeros caminhos que cruzou e
Tantas chances que pensou que tivesse
É necessário adormecer nos braços de um anjo.

Quando se depara distraindo-se somente com as lembranças
E o que considera conforto é apenas o descanso do seu corpo
É necessário adormecer nos braços de um anjo.

Voando para longe do frio da sua alma, que congela as suas veias.
Onde as obrigações não têm mais tanta culpa pelo seu cansaço
Mas sim, a linha reta que não consegue deixar de prosseguir.

Não adianta fugir nem se esconder por trás de mentiras e falsas atitudes,
Muito menos se encobrir do mundo e correr para outro lugar.
Não importa para onde siga e o que experimente
Pois quem você quer, é você mesmo, diga: “Olá, muito prazer”.

Deixe de perder oportunidades de conseguir manter vivo o que possivelmente transparece ser o melhor no momento, como um degrau a subir, sendo obrigado a abandonar o anterior.

É inevitável que sinta falta de como vivia e do que tinha, mas isso atrapalha uma próspera caminhada. Pois te prende e não o deixa reconhecer que pode estar melhor como está agora, e que tudo que o prende ao medo da mudança, não te deixa ser feliz de verdade, pois se torna dependente daquilo e você pensa que está feliz dessa forma, mas na verdade você sempre procurou o que acabou de encontrar, mas não enxerga, pois a vida que leva o anestesia das verdadeiras premissas da vida.

Mesmo não tendo tudo o que ama, reconheça e ame tudo o que tenha.
Talvez as ruínas do seu orgulho impossibilitem que você enxergue mais longe
E veja que nem sempre o ato de trocar algo que tem por algo melhor ou diferente, é prejuízo.

Tudo se torna mais difícil, quando as suas chances, suas dores, desafios e fraquezas,
Estejam em torno de como conseguir o seu anjo para assim adormecer.
Mas caso tenha uma oportunidade depois de tudo que passou
Adormeça nos braços deste anjo, que esse afago poderá lhe fazer crer,
Que é mais fácil acreditar numa loucura, do que fugir de tudo mais uma vez.

domingo, 18 de setembro de 2005

Improvisar

Improvisar é um perigo sem medo de esperar
Mas sem obrigação de acontecer.

É acertar com o “sem querer”
É achar sem procurar
Explicar tudo sem saber

Como um destino a se chegar,
Mesmo sabendo por onde percorrer
Existem vários lugares para pisar

Feito paixão, que mistura corpos sem ajuizar
Os unem em mente e paladar
E no ensejo do apartar
Sempre fica o que buscar

Esquecer é improvisar
Que não dá pra entender
Como o vazio de esperar
E a dor de não poder

Amar é improvisar
Feito flor que sai do pé
E cai na orelha do seu par
Que ganha colo de mulher

Viver é improvisar
Improvisar, nem se imagina
Ninguém sabe no que dá
Dessa escolha repentina

Improvisar é engraçado
Como um sopro do destino
Que retira de um caminho
Mas põe em outro lugar

Pode ter rima ou conversa
Ou uma história como essa
Sem sentido e sem sujeito
A não ser o próprio jeito
De saber improvisar

Parecido com o amor, que é confuso, sem sentido
Não tem pressa, tem destino, mas que alguém pode mudar
Se dedicados com riqueza, seu valor não há de se negar
Mas desisto, não consigo, eu não sei improvisar.

quarta-feira, 14 de setembro de 2005

Hoje

Só por hoje não tive medo da noite.
Só por hoje esqueci do meu despertador.
Só hoje não fiz minha barba.
Apenas por hoje não pensei no amanhã.
Somente hoje estou pensando no hoje.

Só por hoje não fiquei ansioso.
Só por hoje não imaginei o que iria ouvir
Só por hoje não pensei como reagir.
Apenas hoje não tive reações.
Somente hoje não pensei em reagir.

O que seria do meu hoje logo hoje?
O que mudou hoje que não foi diferente ontem?
O que ontem fez para meu hoje ser como hoje?
Será que hoje é melhor que o ontem?
Ou talvez o ontem é um hoje, que logo hoje, é um hoje que nem ontem? :S

Unicamente hoje eu não pensei no caminho para ir.
Inusitadamente hoje eu não pensei nem em chegar.
Porque eu sempre pensei como que seria um hoje?
Pois logo hoje eu saberia que não iria voltar.

Hoje em dia, também é hoje em noite.
Seja hoje, viva hoje, mesmo que hoje não seja vida.
Se sempre olhar para o amanhã, não verás que ele sempre será hoje.
Possivelmente hoje é um dia diferente.
Se hoje é diferente e amanhã sempre será hoje, o que foi ontem?
Foi um dia de hoje? Ou ontem foi amanhã?

Na verdade, ontem foi um hoje sem sentido, mas sem complicação.
Foi apenas como um primeiro hoje que mudou as regras.
Mas o amanhã que será hoje, vai ser bem diferente do hoje que foi ontem.
Olhe para o seu hoje, e mesmo tudo sendo tão “cara de ontem”, sorria.

Sorria, porque somente por hoje alguém não esteve aí.
Porque somente hoje esse alguém não voltou.
E só amanhã não poderá ser um hoje para ele.
Onde esse alguém sempre estará aí ontem.
Hoje ele pode não estar, mas hoje vai virar ontem.
E como dito, ontem ele sempre estará aí.
Amanhã ele voltará, voltará assim como ontem.
Como em um dia onde tudo se contradiz.
Que começa, que termina, que recomeça e que sempre será...

... hoje!

--------------------------------

IPC: Este texto foi criado e entregue para uns amigos de trabalho no dia seguinte que saí da empresa que trabalhava.

quarta-feira, 7 de setembro de 2005

A medida do que não se vê.



Geralmente, consideramos crédulos primeiramente nas coisas que vemos e/ou tocamos. A partir do momento que essas coisas passam para nós existir, transmitem sentimentos ou reações que não podemos ver, nem tanger, mas que de alguma forma podem passar a conter imensuráveis medidas, tornando-se de valor singular ou desprezível nas vidas de quem assim as sente.

Humanamente falando, essa medida se emprega no valor que as pessoas exercem sobre outras pessoas, não importando o tamanho, idade, profissão, etc. Mas que incrivelmente, mesmo sendo sempre a mesma pessoa, pode-se tomar valores diferentes para cada momento e até para quem as considera tão valiosas, essa importância varia extremamente.

Essa variância pode ser dada pela falta de alguém deixar de ser si mesmo. Talvez uma palavra errada na hora errada, uma decepção que possa ter feito alguém sentir ou qualquer outra influência que de algum modo afetou o medidor de importância.
O mais engraçado é que não se tem unidade de medida própria, não tem cor nem cheiro, não tem forma, só existem reações. Reações essas, que podem modificar nosso metabolismo, nos fazer respirar mais aliviado ou mais intenso, nos cativar ou nos desanimar, apertar ou afrouxar o nosso coração (o medidor).

Muitas vezes, as conseqüências geradas pela variação dessa medida, causam problemas enormes, alguns até irreparáveis, com grande facilidade de alguém ser efetuado como um objeto de troca por um outro que não proporcionava mais o que procurava ou talvez somente variou de si próprio em algum instante.

Eu analiso da seguinte forma: As pessoas estão a cada dia mais individuais e egoístas, atropelando os sentimentos alheios, sendo apáticas com os valores das pessoas. Não tendo a capacidade de valorizar cada ser como único, transpondo coragem para reavivar uma relação, que seja de amizade, um parentesco, um negócio ou até mesmo um flerte, pois mesmo que insensato envolve pessoas e sentimentos.

Mas não, a realidade é outra. A “preguiça compassiva” reina, e assim, somos sujeitos a inconveniência e desmazelo, até que então, um dia teremos que tomar como característica defensiva, essas atitudes e “EVOLUIR” junto com a sociedade.

Bom, eu acho que pelo menos agora eu aprendi o significado real de GLOBALIZAÇÃO. (risos)

Eu vivi isso essa semana. Meu valor não foi relevado, mas não importa mais como eu me senti. Porém, não desconsiderei o valor e nem troquei ninguém, apenas aumentei o meu próprio valor.

Um Abraço...

segunda-feira, 5 de setembro de 2005

Eu preciso de você. Seja lá quem você for.

Eu sinto falta de algo que nunca tive
De um sorriso nunca dado para mim
Eu quero um abraço que eu nunca senti
E um beijo que eu nunca provei antes

Eu chamo uns anjos para trazê-la para mim
Mas existe algo que eles nunca podem pegar
Porque vive dentro do coração
E somente o mesmo sentimento poderá trazê-lo aqui

Eu não posso mentir para mim e me esconder de você
Porque meus sentimentos são mais que verdadeiros

Eu não posso mentir para mim e me esconder de você
E eu faço qualquer coisa para conseguir o que quero, eu faço.

Por muito tempo você cruzou o meu caminho
Mas eu nunca pude te dizer "Olá"
Eu confesso que eu quero te ver mais e mais
Eu quero tocar o seu rosto
E desfrutar o cheiro da sua pele

Numa noite estrelada,
Na beira do mar
Eu só preciso te conhecer

Eu não posso mentir para mim e me esconder de você
Porque meus sentimentos são mais que verdadeiros

Eu não posso mentir para mim e me esconder de você
Eu faço tudo para conseguir o que eu quero, que é você.

Eu acho que perdi muito tempo
Ou talvez, agora eu tenha menos tempo para chorar
Todos meus pensamentos podem estar errados
Será que eu irei conhecê-la?

... Quem é você? Porque não vem?
Porém, te espero... Te quero...
... Já até te amo.