terça-feira, 27 de outubro de 2015

Todos iguais perante quem?

A constituição diz que somos todos iguais perante a lei. E isso bastaria para mantermos uma sociedade mais justa e igualitária para todos.

Mas o governo não tem essa intenção. Não é a toa que se criam várias leis e punições para benefício e cuidado de "minorias". Essa quantidade absurda de novas regras, cotas, leis e mais leis, se olhadas com mais critério, vai dar para perceber que são para "inglês" ver, para deixar alguém mais tranquilo e ganhar seu voto.

Já parou para pensar que hoje em dia alguém pode ter uma punição mais branda matando um negro/homossexual do que discriminando ele?

E se um homem (hétero), em juízo, se considerar mulher e exigir os direitos da Maria da penha por uma briga que teve com o seu pai?

E se todo mundo começar a se declarar negro para exigir cotas? Haja praia e bronzeamento artificial.

Essa hipótese pode ser exagerada, mas as coisas estão ficando tão truncadas e sendo feitas sem controle que estão caminhando para esse lado.

Afinal, se todo mundo pode ser o que quiser perante as leis, por que quando um médico considera uma pessoa inválida, o governo enrola anos ou não dá o benefício ao cidadão? E se eu ME considerar inválido, incapaz de exercer qualquer função na sociedade e passar a exigir direitos por isso?

Dá pra perceber que o governo não quer o bem de ninguém né?

O problema é que essa imposição de novas posturas da sociedade, excluindo suas crenças e conceitos, é altamente estúpida. Principalmente quando finge que está ajudando alguém, mas no final é só politicagem.

Durante a escola aprendi que a diferença entre o sexo feminino e masculino era um cromossomo, agora é uma questão de opinião. E digo mais, se a redação de um vestibular ou concurso pedir a sua opinião sobre algum assunto, trate de adivinhar quem irá corrigir, pois se sua opinião não for igual a dele, pode ter certeza que sua nota vai ser baixa. Já passei por isso falando mal do governo.

Os negros, homossexuais e mulheres mais legais, exemplares e bem sucedidos que conheço, acordam cedo, estudam, trabalham, correm atrás e não têm tempo nem de pensar no que o país pode oferecer para eles caso aceitassem para si toda essa desigualdade.

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

A culpa é sua!

Muitos têm o dom de justificar seus erros pelas atitudes dos outros. Muitas das vezes, elas já querem cometer o erro e procuram apenas um motivo para tal ou até mesmo criam a situação para que elas se justifiquem.

O pior de tudo é que geralmente a gente cai. Quando a pessoa é bem esperta, ela te faz errar com ela também. Mas para ela, o que você fez não teve efeito ruim, muito pelo contrário, ela ficou contente por ter conseguido um álibi para externar o que de muito ela já queria.

O mais triste é que geralmente quem faz isso, está em seu convívio, são pessoas que você gosta, não um desconhecido.

Os motivos são dos mais variados: Acordou de mal humor e quer apenas gritar com alguém, quer uma desculpa para sair sozinho da esposa/marido, um motivo para traição, não pagar uma dívida ao amigo, etc.

Tem pessoas que não aceitam que podem errar. É como se não quisessem perder uma certa perfeição que subconscientemente acham que possuem. E isso somado ao excesso de orgulho, fazem com que elas se tornem pessoas covardes. Elas perdem mais não ferindo seu ego do que quando admitem um erro ou pedem desculpas.

E desse jeito, amizades são desfeitas, relacionamentos familiares distanciados, casamentos destruídos, até oportunidades profissionais são perdidas.

Se todo mundo soubesse o quanto é bom evoluir por observar os próprios erros, quanta paz que a reconciliação justa tem e quão valioso é aceitar sua imperfeição, mas não pelo direito de errar, mas pela capacidade de se redimir, menos tempo se perderia, menos lágrimas cairiam e mais paz existiria.

A culpa é sua, basta escolher pelo quê.

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Última chance

Não existe intervalo entre a vida e a morte
Um momento que a precede para fazer o que nunca foi feito
Para dizer o que não foi dito ou consertar o que ficou pendente
Uma chance dentro do fim, não existe.

É bom pensar no que pode ser feito agora
Não para mudar o rumo do destino do próximo
Mas para mudar sua própria vida sem o próximo

Sem o sorriso do anjo que corre na rua
Sem o olhar do animal que te pede cuidados
Sem a presença daquele que te criou
Sem o convívio de quem te ama.

Ás vezes o fim não é a falta da vida
Mas a falta do que se sente
Ás vezes há morte em vida
Por não ser vivida com amor

E o futuro, pode não existir
Mas se existir, ele tem que ser feito a partir de agora
Não dar, nem aceitar migalhas só por que elas tem o gosto bom
Viver a certeza de que nada é pra sempre
E que caminhamos sobre uma linha tênue entre a vida e a morte