terça-feira, 21 de abril de 2015

Foi só te ver

Foi só te ver para entender o que de cara ainda confirmo hoje
E na simplicidade dos seus dons
E pela urgência dos meus desejos, me envolvi
Sem antes mesmo reconhecer meus medos,
Quis ser também, como tatuagem em sua pele.
E decifrar os desenhos coloridos de sua alma.

Desprotegido e curioso, invadi seus olhos
Pra enxergar o que não deveria ver.
E me perdi, por gostar e não gostar, por querer e não querer.
Minha teoria é forte, minha razão é falha
Meu coração é burro e minha teimosia, resiliente.

A cada sorriso que recebi, mais vazio eu fiquei
Pelo espaço que você ocupou, pela paz que me retirou.

E a cada suspiro do mesmo ar que o seu, dois extremos se estendiam.
Quanto mais eu te conhecia, mais eu temia,
Menos me reconhecia e cada vez mais eu queria você.

Nenhum comentário: